A relação corpo-mente e o perigo das doenças psicossomáticas

Platão e Aristóteles já se perguntavam qual era a relação entre a mente e corpo antes mesmo do nascimento de Cristo. A discussão seguiu ao longo dos séculos, e deu origem à teoria do dualismo cartesiano, vinda do pensamento do filósofo René Descartes, para quem o corpo e a mente representavam partes separadas e individuais. Será mesmo? O contrário também vem sendo discutido há milhares de anos e o pensamento de que mente e corpo coexistem e interagem em um só organismo foi desenvolvido por Baruch Espinoza, outro filósofo, cuja teoria ganha força a cada dia. Essa relação é tão natural que vemos, em nós mesmos, exemplos da conexão entre corpo e mente todos os dias.

Compreender essa relação é necessária para entendermos o funcionamento do nosso próprio organismo. O ditado “mente sã, corpo são”, portanto, é uma realidade, assim como o contrário também é verdadeiro. Se a mente não está saudável, o corpo pode acabar sofrendo com as consequências, dando origem a doenças psicossomáticas. Já ouviu falar delas?

Como a relação corpo-mente funciona?

Imagine a seguinte situação: dentro de dois minutos você fará uma apresentação importante para os diretores da empresa mostrando os resultados obtidos no último projeto que você e seu time desenvolveram. É uma apresentação importante e que poderá definir os rumos da sua área. Como você se sente em um momento como esse? Essa sensação gera algum efeito físico no seu corpo? Como já mencionei neste outro texto, o medo de falar em público é um dos mais presentes na população, e os “sintomas” mais comuns são mãos trêmulas, sudorese, boca seca… essas são reações fisiológicas vindas do estresse que mostram com clareza a “conversa” entre o corpo e a mente.

Outras situações em que essa relação é evidenciada:

  • Ver uma pessoa à distância e, mesmo sem poder ouvi-la, saber que ela está brava pela forma como seu “corpo fala”;
  • Sentir um frio na barriga quando está prestes a fazer algo que há muito tempo é esperado;
  • Sentir dor de cabeça após um dia de trabalho repleto de pressão e estresse.

Em uma de suas mais renomadas obras, a médica, autora e consultora Eva Selhub afirma que a medicina já não vê mais o corpo e a mente como entidades separadas, mas como uma unidade funcional, assim como afirmava o filósofo Espinoza. Por esse motivo, a mente e as emoções influenciam o corpo, assim como o corpo influencia a mente e as emoções.

Sua linguagem corporal molda seu estado de espírito

A maneira como nos posicionamos e gesticulamos afetam a maneira como somos percebidos por outras pessoas, mas não somente. Uma série de estudos e pesquisas mostram que a linguagem corporal possui efeitos também na forma como nos sentimos. Mais uma evidência de que o corpo está, a todo tempo, se relacionando como nossas mentes e emoções.

Tome como exemplo a “pose do super-homem”. Uma postura ereta, com peito estufado e mãos na cintura. Mantê-la durante um tempo pode fazer a diferença entre o sucesso ou o fracasso, já que é tida como impulsionadora de segurança e autoconfiança. Por sua vez, a pose de braços cruzados, embora seja percebida como uma barreira ou como uma postura defensiva, pode dar um gás na disciplina e na persistência.

Essas são pequenas dicas de como utilizar a conexão corpo-mente a seu favor. Essa relação, porém, pode representar certos perigos.

Doenças psicossomáticas

É comum encontrar pacientes que se queixam de dores em certa região do corpo e, mesmo após uma vasta bateria de exames clínicos, nenhum problema é identificado. Muito possivelmente trata-se de um caso psicossomático.

A psicossomatização é a reação física para um problema emocional. Ou seja, a causa da dor é oriunda de uma questão mental em vez de um ferimento, inflamação ou infecção. Pode acontecer devido a forte estresse, preocupação ou tristeza, manifestando sintomas físicos como queimação no estômago, falta de ar ou dor no peito, por exemplo.

Há um estigma muito grande quanto a doenças psicossomáticas, pois tende-se a crer que é um exagero ou invenção do paciente, já que “não se vê” a doença. No entanto, a psicossomatização provoca dor e incômodo, mesmo fisicamente estando aparentemente tudo bem. Portanto, exige atenção tanto quanto qualquer outro tipo de problema. A atuação de um psiquiatra é fundamental para identificar as causas da doença, oferecer um diagnóstico e um tratamento adequado.

É importante investir sempre em prevenção e evitar a necessidade de um tratamento. Estresse faz parte do dia a dia, eu sei. Estamos a todo tempo preocupados com questões familiares ou sendo pressionados nas empresas, seja por chefes, clientes ou por metas desafiadoras. De qualquer forma é preciso desacelerar e buscar alternativas para uma vida saudável e equilibrada. Veja algumas ideias que você pode aplicar facilmente:

  • Utilize aplicativos a seu favor. Busque um app de meditação guiada que ajude você a se conectar consigo mesmo, nem que seja durante 10 ou 15 minutos por dia;
  • A correria faz a gente negligenciar nossa alimentação. Busque sempre manter uma dieta balanceada e saudável;
  • Crie um espaço relaxante para dormir à noite;
  • Faça atividades físicas regularmente, mesmo que durante 15 minutos por dia;
  • Psicoterapia é uma excelente ferramenta para aliviar um pouco da carga emocional e buscar soluções para as dúvidas do dia a dia;
  • Dedique-se a seus hobbies e nem por um momento sinta culpa por não estar sendo produtivo. Tá tudo bem!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp